Tatuagem NEW SCHOOL

A tatuagem new school é um estilo que mistura cores vibrantes a um traço sempre firme e delineado. Distinguem-se das old school pelo traço forte, mas  não necessariamente uniforme, como tradicionalmente, e pelo uso de um maior número de cores e  técnicas como degradê e sombreamento. Grande parte das tatuagens new school são compostas por personagens de desenhos animados ou que lembram estas figuras, uma vez que a inspiração para esse tipo de tattoo está, desde seu surgimento, no graffiti, nas HQs e no estilo psicodélico.

New School e Old School (46)

 

Uma forte característica das tatuagens são as artes serem trabalhadas em perspecitiva e em três dimensões, dando a impressão que o desenho tenha relevo sobre a pele. Sua origem foi na costa oeste dos Estados Unidos, por volta da década de 60, logo após a um grande surto de hepatite, devido à falta de esterilização dos produtos e à reutilização de agulhas em diversas pessoas, foi aprovado um novo código de saúde mais rigoroso, antes disto as tatuagens costumavam ser diretamente associadas a delinquentes e bandidos. Com a popularização daDisney, os novos “tatuados”, assim conhecidos na época, começaram a se interessar cada vez mais por um estilo de tatuagem mais colorido e mais forte que seu antecessor – que tinha limitação de três a cinco cores por trabalho realizado.

No início, os desenhos eram geralmente inspirados pelas produções da Disney, que haviam se tornado ícones da época. Logo em seguida, começaram a ser produzidas cada vez mais cores de tintas para tatuagens, o que impulsionou ainda mais o estilo. Hoje em dia, podemos notar a evolução dos traços, com efeitos tridimensionais e bordas mais serrilhadas, mas sem perder sua essência. Vale lembrar que não existe uma regra a ser seguida, depende da criação exclusiva do tatuador.

new school pode ser considerado uma expressão da geração que cresceu tendo seus heróis dentro de HQs e desenhos animados, mas esse estilo vem crescendo cada vez mais, na medida em que os materiais desenvolvidos para a tatuagem se diversificam e se aprimoram, permitindo o surgimento de novas técnicas e a releitura de outras.

Anúncios

AMANDA WACHOB – Um dos vários estilos na arte de tatuar!

Amanda Wachob

Amanda Wachob tinha acabado de se formar e não tinha ideia do que queria fazer com o diploma de fotografia, mas por incentivo de amigos ela se tornou uma aprendiz de tatuagem e encontrou uma maneira incomum de colocar e usar sua arte. “Assim que eu aprendi a tatuar fiquei obcecada por isso”.  Amanda começou a tatuar em 1998, na região do Vale do Hudson, em Nova York.

Ela faz o impossível com a tinta de tatuagem; suas obras são impecavelmente parecidas com pinturas reais, retratos abstratos bem semelhantes a pinturas em tela que parecem aquarela e tinta a óleo aplicadas diretamente ao corpo sem uma agulha.

Amanda possui um portfólio extenso, com trabalhos conceituais que exploram diversos temas, do abstrato ao moderno. Quando nos referimos a tatuagens originais e de estilo próprio, não é de se espantar que muitos considerem Amanda como uma das artistas mais criativas. Ela vem para confirmar que o corpo é sua tela em branco e em suas “pinturas” não existem limites. O que mais me impressiona em seu trabalho são a perfeição e as cores vivas de suas pinceladas e pingos de tintas, como vocês podem conferir a seguir.

amanda-wachob-02amanda-wachob-03

amanda-wachob-04amanda-wachob-05amanda-wachob-06

amanda-wachob-07

A artista também desenvolveu um estilo específico de tatuar chamado “bloodline tattoo”: são linhas não permanentes, feitas com água destilada. Com o tempo, a tatuagem acaba desaparecendo, já que o corpo absorve a marca, o significado e sua energia, quase como uma espécie de ritual. É uma bela ideia e seria uma forma muito interessante de experimentar usando o corpo como uma tela.

amanda-wachob-08amanda-wachob-09amanda-wachob-10

Confira mais artes e tatuagens na página oficial de Wachob.

Tatuagem e RH (Seleção de emprego)

A Rede Globo publicou por meio do programa TV Vanguarda, noticiário  regional do Vale do Paraíba, uma reportagem a respeito.

O preconceito com relação as artes corporais diminuiu bastante na últimas décadas, isso se deve  ao acesso as informações. O acesso as redes sociais e o conteúdo que nelas são disponibilizados à todos.

“A escolha de um profissional deve depender da sua capacidade e aptidão para exercer uma determinada função, e não pela sua aparência.”

Para quem está a procura de um novo emprego, existem algumas restrições, mas também ocorre o contrário: há lugares onde a tatuagem ajuda a conseguir a vaga. Veja abaixo a reportagem pela Rede Globo:

A vendedora Deyse Belo tem 27 tatuagens. Para conseguir o emprego de vendedora na loja em que trabalha, o estilo dela foi fundamental. “O mais importante no comércio é a aparência. Aí a tatuagem é uma coisa a mais. É como se fosse uma jóia, uma coisa que chama a atenção”, conta Deyse.

E Deyse não se considera uma exceção. Para ela, a resistência às tatuagens diminuiu bastante. “Hoje em dia está mais comum. Já é mais tranquilo. Ainda tem preconceito de algumas pessoas. O caráter da pessoa não muda. Ele é independente do visual”, explica.

“Há questão de uns 15 anos atrás, nós tinhamos mesmo um preconceito muito grande, mas com a evolução, com a internet, com o acesso às redes socias, as pessoas gostam mesmo de fazer tatuagem, então reduziu bastante.”, diz o consultor de Recursos Humanos, Márcio Terra.

Apesar da maior aceitação das tatuagens no mercado de trabalho, ainda resta um pouco de preconceito por parte de algumas empresas e setores. Por isso, vale ter bom senso e evitar os exageros. “Locais como o braço todo tatuado, alguns locais que aparecem como o pescoço. Esse tipo de tatuagem realmente acaba chocando algumas pessoas. Principalmente em um processo de seleção, em que ela está sendo avaliada”, conta Márcio.

O tatuador Fernando Souza conta que tatua em média três pessoas por dia. Segundo ele, grande parte dos clientes se preocupa em fazer uma tatuagem que não prejudique na hora de conseguir um trabalho. E quando há dúvida, ele mesmo dá uma ajuda.

“Às vezes ele quer fazer uma coisa muito extravagante, em um lugar muito exposto. Então a gente tem que dar uma segurada na pessoa, fazer ela pensar melhor no que ela está fazendo, para ter certeza que o que ela vai fazer é uma coisa certa para ela e não vai acarretar em nenhuma consequência negativa.”, diz Fernando.

O programador Vitor Mendes sempre quis fazer uma nas costas, e o fato da arte não ficar sempre à mostra, colaborou. “Dependendo do lugar que eu for trabalhar, dá uma escondida. A gente fala que tem, mas não fica evidente, então acaba não atrapalhando muito”, explica Vitor.

Independente de ter ou não tatuagem, o mais importante é que ela seja apenas um detalhe.

“Ela não vai influenciar no perfil. Ela mais caracteriza a pessoa como ela realmente é”, explica Fernando.

“Não define as qualidades. Até porque se eu chego com uma tatuagem nas costas e falo que não tenho e depois eu sou aprovado pelas minhas capacidades isso não quer dizer nada. Então eu acho que tatuagem não é uma coisa que define a pessoa em si”, conta Vitor.

“O fato é que aos poucos estamos acabando com o preconceito… há 20 anos atrás existia-se um preconceito gigantesco…. Nos dias de hoje estamos invadindo todas áreas, em algum momento em algum lugar você vai se deparar com alguém com tatuagens e piercings. Quem sabe daqui há alguns anos o estranho será aquele que não tem essas modificações corporais! ;)”

O que você achou da Reportagem?!

Fonte: G1