NÃO É PRA QUALQUER UM: TATUAGEM TEBORI

Você teria coragem?

 

 

A HISTÓRIA DA TATUAGEM

Há mais de 3500 anos atrás, a tatuagem já existia como forma de expressão da personalidade ou de indivíduos de uma mesma comunidade tribal (união de pessoas com as mesmas características sociais e religiosas). Os primitivos se tatuavam para marcar os fatos da vida biológica: nascimento, puberdade, reprodução e morte. Depois, para relatar os fatos da vida social: virar guerreiro, sacerdote ou rei; casar-se, celebrar a vida, identificar os prisioneiros, pedir proteção ao imponderável, garantir a vida do espírito durante e depois do corpo.

Na era Cristã, na clandestinidade, sob o jugo do poder pagão, os primeiros cristãos se reconheciam por uma série de sinais tatuados, com cruzes, as letras IHS, o peixe, as letras gregas. Na era moderna, a tatuagem passou por vários anos de marginalidade. Ela retorna a ser questão de relevância em nossa sociedade quando surge em artistas de música, cinema, e em pessoas comuns.

Deixando de ser um símbolo de marginalidade, e sim uma forma de expressão individual de arte e estética do corpo, a tatuagem não é mais tosca como as de cadeias, e sim um desenho de traços mais finos e cores variadas.

No Brasil, o precursor da tatuagem moderna foi um cidadão dinamarquês chamado Knud Harald Lucky Gegersen, conhecido popularmente como Lucky, ou Mr. Tattoo. Chegando por aqui em 1959, Lucky se estabeleceu em Santos-SP, utilizando seu talento e suas técnicas de desenhista e pintor profissional.

Lucky teve uma participação real no mundo da tatuagem brasileira. Os tatuadores chegam a dizer que por mais imperfeita que seja a tatuagem de Lucky, ela vale muito, pois foi graças ao dinamarquês que o Brasil entrou no mapa da tatuagem moderna. Lucky foi notícia em vários jornais, e em 1975 o jornal O Globo o considerou o único tatuador profissional da América do Sul, sendo sua morte noticiada no Jornal ‘A Tribuna’ de Santos do dia 18 de dezembro de 1983. Por um bom tempo Lucky continuou sendo o único, até que começaram a aparecer, aos poucos, os seus seguidores, que herdaram dele as técnicas e a arte de fazer tatuagem.

Apesar de toda sua história, o conceito de origem independente se adequa a tatuagem, pois ela foi inventada várias vezes, em diferentes momentos e partes do Mundo, em todos os continentes, com maior ou menor variação de propósitos, técnicas e resultados.

Os Tipos de Tatuagem

Tradicional (tatuagem de marinheiro): São aqueles desenhos tradicionais, como uma âncora ou uma gaivota, aliás, os marinheiros foram os grandes divulgadores da tatuagem pelo mundo.

Tatuagem de Marinheiro
Tatuagem de Marinheiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sumi: técnica oriental que utiliza bambu ao invés de agulha. Geralmente os desenhos são ricos em detalhes.

Tatuagem Sumi
Tatuagem Sumi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Realista: desenhos que imitam o mundo real, como mulheres, pássaros e personalidades.

Tatuagem Realista
Tatuagem Realista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estilizada: como o próprio nome já diz, são desenhos estilizados.

Tatuagem Estilizada
Tatuagem Estilizada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alto relevo: muito difundida entre os índios. A pele é dissecada formando desenhos com uma infinidade de cores, praticada principalmente por aborígenes, de origem africana.

Tatuagem Alto Relevo
Tatuagem Alto Relevo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Belfaro Pigmentação: a maquiagem definitiva, como delineador, batom, etc.

Maquiagem Definitiva
Maquiagem Definitiva

 

 

 

 

 

 

 

 

Celta: desenhos de origem celta com figuras entrelaçadas. Pode ser preta ou colorida.

Tatuagem Celta
Tatuagem Celta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tribal: desenhos em preto ou coloridos com motivos tribais. Podem ser desenhos de tribos norte-americanas, haidas, maias, incas, astecas, geométricas ou abstratas.

Tatuagem Tribal
Tatuagem Tribal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oriental: trabalhos grandes, geralmente de corpo inteiro, como um painel. Os desenhos são com motivos orientais, como samurais, gueixas e dragões.

Tatuagem Oriental
Tatuagem Oriental

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Psicodélicas: trabalhos supercoloridos com desenhos totalmente senseless.

Tatuagem Psicodélica
Tatuagem Psicodélica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Religiosas: trabalhos com personagens bíblicos, como um santo, uma cruz, etc.

Tatuagem Religiosa
Tatuagem Religiosa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bold line: desenhos das histórias em quadrinhos com traços bem largos e cores berrantes.

Tatuagem Boldline
Tatuagem Boldline

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Branding: tatuagem marcada a ferro e fogo.

Tatuagem Branding
Tatuagem Branding

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como São Feitas as Tatuagens

As tatuagens são feitas com pigmentos de origem mineral, principalmente, e com agulhas específicas para tatuar, sempre descartáveis e nunca reutilizadas (mesmo que seja na própria pessoa).

As máquinas elétricas, preferencialmente, devem ter a ponteira de aço inox cirúrgico e/ou descartáveis, devem ser limpas por ultra som e esterilizadas com estufa a uma temperatura igual ou superior à 170 º C por um período de pelo menos 3 horas.

Os aparelhos de barbear utilizados para depilar o local da tatuagem não devem ser reaproveitados.

O tatuador deve usar luvas e máscara para procedimentos, para evitar uma possível infecção ou até a contaminação por doenças.

A limpeza do ambiente é fundamental afim de se evitar a contaminação cruzada.

A arte é consequência de tudo que o tatuador aprendeu durante anos, por isso, valorize o trabalho dele!

Fonte

E você já sabe qual tattoo quer fazer? Tem um estilo que mais gosta?

Compartilhe conosco nos comentários!

PROJETO BRASILEIRO – “LIFE BY THE SKIN”

Life by the Skin

O projeto brasileiro “Life by the Skin” surgiu no início de 2012 com o objetivo de mostrar um pouco mais desse universo por meio de fotografias. Com o passar do tempo, percebeu-se que, em pleno século XXI, a situação do preconceito contra essas pessoas ainda é muito evidente, fazendo surgir a ideia de criar um documentário. O vídeo contará com depoimentos e cenas do cotidiano de cada uma das pessoas, a fim de mostrar que ter uma tatuagem muda em nada o caráter de uma pessoa.

Devido à grande diversidade regional, o objetivo principal é de percorrer um itinerário que começou no Rio de Janeiro e seguirá pelas capitais dos estados de São Paulo, Paraná, Brasília, Amazonas, Maranhão e Bahia, retornando à primeira cidade da lista para finalizar, para, assim, ser possível ter uma visão diferente de cada localidade.

Ao percorrer essas cidades, serão feitas entrevistas com pessoas comuns e de estúdios de tatuagem, para que a visão do profissional também seja mostrada. Será feito um vídeo e algumas fotos de cada pessoa, mostrando a característica de cada um e seus gostos, cotidiano, um pouco de suas histórias e a relação com as tatuagens em si. Ao final, todo material recolhido fará parte do documentário, também intitulado “Life by the Skin”.

O projeto foi idealizado por Louyse Gerardo, fotógrafa profissional e publicitária formada, que tira sua inspiração de fotógrafos famosos como João Roberto Ripper, Yann Bertrand, entre outros. Ela começou a fotografar aos 11 anos de idade, mas fez disso sua profissão no começo da faculdade de Comunicação Social. Dona de uma visão peculiar do o mundo à sua volta, sua maneira de fotografar captura sempre uma sensibilidade diferenciada, criando uma característica pessoal, que também será vista no documentário.

Esse é um projeto totalmente independente e precisa de todo o apoio possível para ser realizado. É preciso que as pessoas tatuadas que residam nessas cidades estejam dispostas a dar depoimentos, contando suas histórias e o seu ponto de vista a respeito do tema e do preconceito que ainda o cerca, além de ajudar na divulgação do projeto para que ele possa ganhar força e fazer a sua parte contra o preconceito que ainda existe.

Essa iniciativa já contou com a colaboração de algumas pessoas do Rio de Janeiro. Agora faltam pessoas das outras cidades colaborarem com o projeto. Veja abaixo um teaser e algumas fotos do “Life by the Skin”.

Life by the SkinLife by the SkinLife by the SkinLife by the SkinLife by the Skin

Para participar, é bem simples! Entre em contato com Loyse pelo e-mail louysegerardo@hotmail.com.

Chegou a hora de levantar a sua voz e mostrar para o mundo que não deve haver discriminação contra pessoas com tatuagem!

TATUAGENS DE CARPAS

Tatuagens de Carpa

Carpa por Robert McNeil – Blue Rose Studio

Um dos desenhos mais procurados e estampados na pele de quem curte a arte das tatuagens orientais é, nos dias de hoje, a carpa. Além das diversas cores, a tatuagem do animal carrega uma forte simbologia vinda das antigas lendas japonesas.

As lendas tratam a carpa como um animal diretamente ligado à força e perseverança – já que, para colocar seus ovos e perpetuar a espécie, precisavam subirem até a fonte do Rio Amarelo (Huang Ho), enfrentando a queda d’água de Longman Falls, ou Portão do Dragão, e ali se transformaram em dragões como forma de recompensa.

 

Escolhida tanto por homens como por mulheres, é retratada em diversas cores e posições. A carpa voltada para cima, por exemplo, significa os desejos e a força para lutar e alcançar os objetivos. Voltada para baixo simboliza os objetivos e sonhos que já foram realizados. Flores tatuadas junto às carpas simbolizam o caminho a seguir até os objetivos.

Suas cores variadas e toda a crença voltada para sua espécie fazem com que a carpa seja um dos principais peixes escolhidos quando o assunto é a decoração de lagos artificiais em jardins de todo o mundo. Com origem na China, no decorrer do tempo fez com que sofressem mutações genéticas que transformaram sua cor comum – cinza, prateado e dourado – em diversas outras cores. As carpas que sofrem essa mutação têm o nome de Nishigikoi (Koi com pedigree) e se dividem em três principais grupos de cores: o grupo Asagui (azul e vermelha), o Higoi (vermelha) e o Bekko (preta e branca).

A origem das carpas Nishigikoi ocorreu no Japão, na cidade de Niigata, no ano de 781. A mutação entre as carpas ocorreu espontaneamente e também com a ajuda dos criadores da região para alcançarem a mistura de cores e tamanhos.

A partir dessas mutações foi possível criar diversas “raças” de Nishigikoi. Prova disso é que, em 1830, havia somente os três grupos híbridos citados acima, enquanto em 1911 o número chegou a seis variedades e, em 1983, para 13 variedades definidas oficialmente. A título de curiosidade, as carpas Nishigikoi podem medir mais de 75 centímetros – normalmente estas são mais raras e encontradas em exposições pelo mundo. Abaixo você pode ver as 22 espécies catalogadas oficialmente até o ano atual de 2013.

Tatuagem de Carpa

O significado das tatuagens de carpas varia, ainda, de acordo com as suas cores. Abaixo, algumas das mais utilizadas:

Carpa azul e vermelha (Asagui): Escolhida tanto por homens como por mulheres, simboliza a masculinidade e a fertilidade.

Carpa vermelha (Higoi): A cor vermelha é uma das mais utilizadas, juntamente com laranja. A cor vibrante significa coragem e também simboliza o amor.

Carpa preta: Apesar de algumas pessoas ainda entenderem a cor como negativa, a carpa preta simboliza a força e o triunfo durante alguma época de mudanças difíceis.

A transmutação da carpa em dragão também aparece nas tatuagens, sendo incorporados aos desenhos traços de dragão, como bigodes, chifres ou mesmo a cabeça completa do dragão substituindo a da carpa. Também expressa um desejo alcançado, a realização.

Tatuagens de CarpaNa Yakuza

A carpa e todo seu simbolismo de superação e força não estão apenas na pele de quem já passou por adversidades e situações difíceis. Grupos como a famosa máfia japonesa Yakuza utilizam a carpa como símbolo que diferencia um membro de um grupo para outro. Ou mesmo o status de quem a possui também de acordo com a posição, cores e elementos de dragão.

Vale lembrar que os significados de tatuagem publicados são apenas referências, pois cada pessoa tem um significado próprio para sua tatuagem.

Fontes: Tattoo.net | Historiofobia | Tatuando.com

Cientistas revelam tatuagens encontradas em múmias de 2.500 anos e definem semelhanças com os tatuados de hoje

A princesa tinha diversas tatuagens nos braços Foto: Reprodução / Mail Online

 

Cientistas revelaram, na Rússia, tatuagens em corpos mumificados há 2.500 anos. Muitos desenhos estavam marcados no corpo de uma princesa siberiana, morta aos 25 anos. Ela pertencia ao povo Pazyryk, nômades do século 5 a.C.

Segundo o site “Mail Online”, as tatuagens são desenhos de criaturas mitológicas. Os especialistas acreditam que as tatuagens tinham relação com a idade e o status ao qual pertencia a pessoa. A cientista Natalia Polosmak, responsável pela descoberta da princesa Ukok, como é conhecida a múmia, acredita que o significado e disposição das tatuagens hoje em dia não são muito diferente de dois milênios atrás.

– Acho que não estamos muito longe dos Pazyryk, em relação ao porquê as tatuagens são feitas – garantiu ela, em entrevista ao site Siberian Times.

A princesa tinha tatuagens no pulso e na mão Foto: Reprodução / Mail Online

Acredita-se que, além de pertencer à família real, a princesa Ukok era uma curandeira ou reverenciada como santa. Ela foi sepultada cercada por dois guerreiros, também com tatuagens espalhadas pelo corpo. Os dois deveriam protegê-la. Havia ainda seis cavalos para facilitar a viagem para a próxima vida.

Representação de uma das tatuagens da princesa Foto: Reprodução / Mail Online

 

Segundo Natalia, assim como na atualidade, as tatuagens encontradas em múmias com 2.500 anos, também têm relação com o conceito de beleza.

– Há ainda um desejo de ficar tão bonita quanto possível – explicou ela.

O povo Pazyryk utilizava as tatuagens como uma espécie de identificação pessoal. Eles também acreditavam que os desenhos no corpo seriam úteis em outra vida, depois da morte. Além disso, as tatuagens podiam ser uma forma de expressar pensamentos e posições sociais.

Representação das tatuagens encontradas nos dois guerreiros Foto: Reprodução / Mail Online

 

Segundo a especialista, a primeira tatuagem era feita sempre no ombro direito. Ela afirma isso com segurança, já que todas as múmias encontradas com apenas uma tatuagem, tinham o desenho no ombro direito. Natalia acredita que, hoje em dia, ainda existe uma tendência de tatuar a mesma região do corpo.

– Acho que está ligado à composição do corpo. O ombro direito é um lugar visível, onde a tatuagem pode parecer mais bela. Em anos, nada mudou e o corpo permanece o mesmo. A pessoa que faz uma tatuagem agora está mais próxima dos ancestrais do que pode imaginar – garantiu.

As múmias em questão foram encontradas há 19 anos no Ukok Plateau, região localizada na Sibéria, a mais de 2.500 metros acima do nível do mar, e perto das fronteiras com a Mongólia, China e Cazaquistão.

A tatuagem é visível no ombro direito do guerreiro. Desenho semelhante foi encontrado na princesa Foto: Reprodução / Mail Online
Estátua de como seria a princesa, há 2.500 anos Foto: Reprodução / Mail Online

Fonte: extra.globo